Artigo disponível aqui: http://revistas.ufrj.br/index.php/ae

Ano: 2020

Autora: Paula Guerra

 

Resumo

No seu ensaio intitulado Amanhã chegam as águas (2005), Rui Zink declara que o “mar avança, alagando territórios da Europa, onde já não há países. As decisões são tomadas pela Nova Bruxelas”. Portugal é – no momento da narração – apenas uma estreita “fímbria de terra”. Ora, inspirados por esta incisão distópica, iremos abordar as canções integrantes do álbum cognominado O País a Arder lançado em 2019 pela banda Sereias. Ao trabalho que aqui apresentamos esteve subjacente uma finalidade assente num princípio heurístico primordial: o de demonstrar de que forma as manifestações artísticas – neste caso, em particular, estas canções – constituem, elas próprias, matéria e objeto de intervenção social, demarcando um espaço próprio, definido e específico na revelação de problemáticas sociais e na reprodução dos problemas que atravessam a realidade social.

Palavras-chave: canção; identidades; distopia; pop-rock; Portugal.

 

GUERRA, Paula (2020) – Dystopian mermaids: an essay on the relevance of dystopia in contemporary Portuguese artistic creations. Arte e Ensaios, Rio de Janeiro, PPGAV-UFRF. vol. 26, n. 40. pp. 393-407. jul./dez. 2020. ISSN-2448-3338. DOI: https://doi.org/10.37235/ae.n40.27. URL:<http://revistas.ufrj.br/index.php/ae>